Direito Bancário – Multa Moratória – Parte 9

São muitos os  questionamentos, acerca das multas moratórias, a legalidade de sua cobrança, percentual permitido por Lei etc.
No site da Receita Federal encontramos a seguinte definição:
A multa moratória não têm caráter punitivo; a sua finalidade primordial é desestimular o cumprimento da obrigação fora de prazo.
 
Já a doutrina mas apurada diz que, a multa moratória, como o próprio nome denuncia, corresponde a uma penalidade para aquele que incorrer em mora.
Essa penalidade é pecuniária, ou seja, deve ser paga mediante o dispêndio de valor real, nas formas de pagamento previstas pelo Código Civil.
 
A mora, para o Direito Civil, identifica-se como uma inexecução culposa e voluntária de determinada obrigação.
Assim sendo, se uma pessoa não cumpre sua obrigação na maneira combinada, fica caracterizada a mora e, na maioria dos pactos firmados, existe a penalidade para tanto, chamada multa moratória.
 
A multa moratória está presente nos contratos bancários, de compra e venda de imóveis, de prestação de serviços, e não é vedada em nenhuma hipótese. Apenas tem suas limitações. Lei Federal 9.298, de 1º de agosto de 1996 veio a alterar o §1º, do artigo 52, do Código de Defesa do Consumidor, limitando a multa moratória a 2% (dois por cento) sobre o valor da prestação.
Destarte, os contratos sob a égide do Código de Defesa do Consumidor devem prever multa no limite de dois por cento sobre o valor da prestação a ser cumprida. Mesmo que as partes pactuem percentual maior, ele não é válido, uma vez que, neste caso, não é permitida a transação em desacordo com a norma de ordem pública.
 
Não raras vezes, encontra-se em contratos de concessão de crédito a aplicação de multas com percentual superior ao limite de 2%, sendo nítida a violação dos ditames do CDC.
 
Se, a hipótese acima for aplicada a um contrato, acreditamos que deverá ser exigida a devolução, em dobro,  dos valores pagos em excesso, conforme artigo 42 do CDC, que se transcreve a seguir:
 
Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.
Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.
A aplicação deste limite percentual é somente sobre os contratos firmados após a validade da Lei acima indicada. Por isso, os contratos celebrados antes da mesma, ainda que regidos pelo Código de Defesa do Consumidor, não se beneficiam desta limitação, podendo a multa moratória, nestes casos antigos, ser de até dez por cento.
A multa moratória é necessária, pois o cumprimento das obrigações deve ser estimulado e respeitado, na manutenção de uma ordem social, sendo certo que os dois por cento da Lei, não inibem a mora, mas os juros remuneratórios, os quais não tem limites, estes tem o condão de colocar o consumidor em alerta para não inadimplir.

Boa leitura !!!

Moyses Neva
Advogado

Anúncios

Obrigado por postar, certamente retornaremos

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s